Raoul Hausmann (1886-1971)

Foi um artista plástico, poeta e romancista austríaco. Com o pseudônimo Der Dadasophe exerceu um destacado papel como dadaísta, participando dos grupos de Zurique e posteriormente de Berlim. Foi crítico às instituições da Alemanha durante os anos transcorridos entre as duas guerras mundiais.
Tendo ido viver com seus pais em Berlim com quatorze anos de idade, foi de seu pai que teve os primeiros ensinamentos sobre pintura. Jovem ainda interessou-se pelo Expressionismo, tendo participado da revista Der Sturm.
Afastando-se da pintura, interessou-se por filosofia e literatura, publicando artigos e poemas em revistas culturais. A partir de 1913 publicou trabalhos na revista expressionista Die Aktion.
Sendo um seguidor fervoroso do expressionismo, até então, aproxima-se do Dadaísmo em 1917. Em 1918, ano em que se publicou o primeiro Manifesto Dadaísta, foi um dos fundadores do "Clube Dadá" de Berlim, participando dos primeiros saraus Dada na Alemanha.
Nesta época, Hausmann desenvolveu um processo de fotomontagem e imprimiu os seus primeiros "poemas de cartaz", ou "poemas-pôster" e produziu seus primeiros poemas fonéticos. Em 1919, tornou-se o editor do jornal "Der Dada".
Em 1919, ainda, escreveu "Protesto contra a concepção de vida weimariana".
Tendo terminado o movimento Dada no início dos anos de 1920, em 1926 Raoul Hausmann começou a escrever o seu romance "Hyle". Paralelamente, ele conduziu análises eletroacústicas e óticas com o "Optofone", um dispositivo patenteado em Londres em 1935, que era destinado a produzir ondas sonoras a partir de imagens correspondentes, com a intenção de criar, a partir destes sons, aquilo que chamaria de "poemas ótico-fonéticos" ou "opto-fonéticos".

A partir de 1930, começa a trabalhar sistematicamente com fotografia, tendo migrado para Ibiza na mesma década em função da perseguição pelo Nazismo, estando as obras de Hausmann e dos dadaístas entre as consideradas "arte degenerada" por Hitler. Abandonando a Espanha, em função da entrada das tropas alemãs que apoiavam o general Francisco Franco, vivendo como um artista banido, Hausmann esteve sempre emigrando até 1944. Da Espanha ele foi para Zurique e para Praga, em seguida. Após isto, foi para Paris, onde se instalou definitivamente na rua Peyrat-le-Château a Limoges, vivendo no isolamento, até a sua morte em 1971.


Autor: Raoul Hausmann
Obra: The Spirit of our Times
Ano: 1919
Localização: Museu Nacional de Arte Moderna de Paris
Dimensões: 32,5 x 21 x 20 cm
Técnica: Wood, metal, leather and cardboard
Movimento: Dadaísmo

Autor: Raoul Hausmann
Obra: ABCD
Ano: 1920
Localização: Museu Nacional de Arte Moderna de Paris
Dimensões: 15,1 x 10,1 cm
Técnica: Colagem
Movimento: Dadaísmo

Autor: Raoul Hausmann
Obra: O crítico de Arte
Ano: 1919-20
Localização: Londres – Tate Modern
Dimensões: 31,4 x 25,1 cm
Técnica: Colagem
Movimento: Dadaísmo

Autor: Raoul Hausmann
Obra: Tatlin at Home
Ano: 1920
Localização:
Dimensões: 41 x 28 cm
Técnica: Colagem
Movimento: Dadaísmo

Autor: Raoul Hausmann
Obra: Triunfos dadá
Ano: 1920
Localização:
Dimensões: 41 x 28 cm
Técnica: Colagem
Movimento: Dadaísmo

Autor: Raoul Hausmann
Obra: Self-Portrait of the Dadasoph
Ano: 1920
Localização: Coleção privada
Dimensões: 36.2 x 28 cm
Técnica: Mixed Media
Movimento: Dadaísmo

Autor: Raoul Hausmann
Obra: OFFEAH, (optophonetic poem)
Ano: 1918
Localização: Berlinische Galerie, Berlin
Dimensões: 32.8 x 47.8 cm
Técnica: impressão
Movimento: Dadaísmo

Autor: Raoul Hausmann
Obra: kp’erioum [also under the title ‘Schriftkonstruktion aus dem Dadaco’], (optophonetic poem)
Ano: 1919
Localização: Berlinische Galerie, Berlin
Dimensões: 37 x 20 cm
Técnica: Mixed Media
Movimento: Dadaísmo

Autor: Raoul Hausmann
Obra: Dada im gewöhnlichen Leben (DADA Cino)
Ano: 1920
Localização: Coleção particular
Dimensões: 31.7 x 22.5
Técnica: Colagem e fotomontagem sobre papel
Movimento: Dadaísmo

Autor: Raoul Hausmann
Obra: Elasticum
Ano: 1920
Localização: Coleção particular
Dimensões: 31 x 37
Técnica: Photomontage, collage et gouache sur couverture d'un catalogue d'exposition
Movimento: Dadaísmo










Marcel Duchamp (1887-1968)

É um dos precursores da arte conceitual e introduziu a ideia de ready made como objeto de arte. Irmão de Jacques Villon, de Suzanne Duchamp e Raymond Duchamp-Villon, estes também artistas que gozaram de reputação no cenário artístico europeu, Marcel Duchamp começou sua carreira como artista criando pinturas de inspiração impressionista, expressionista e cubista. Dessa fase, destaca-se o quadro Nu descendo a escada, que apresenta uma sobreposição de figuras de aspecto vagamente humano numa linha descendente, da esquerda para a direita, sugerindo a ideia de um movimento contínuo. Esse quadro, na época de sua gênese, foi mal recebido pelos partidários do Cubismo, que o julgaram profundamente irônico para com a proposta artística por eles pretendida.
Essa fase lhe rendeu, ainda, o quadro Rei e rainha rodeados por rápidos nus, que sugere um rápido movimento através de duas figuras humanas, e A noiva, que apresenta formas geométricas bastante delineadas e sobrepostas, insinuando uma figura de proporções humanas. Este último foi bastante utilizado no seu projeto mais ambicioso, de que trataremos a seguir.
Sua carreira como pintor estendeu-se por mais alguns anos, tendo como produto quadros de inegável valor para a formação da pintura abstrata. É, no entanto, como escultor que Duchamp vai atingir grande fama. Tendo se mudado para Nova York e largado a Europa numa espécie de estagnação criativa, Duchamp encontra na América um solo fértil para sua arte dadaísta. Decorrente dessa fase, e em virtude de seus estudos sobre perspectiva e movimento, nasce o projeto para a obra mais complexa do artista: A noiva despida pelos seus celibatários, mesmo ou O grande vidro.

Trata-se de duas lâminas de vidro, uma sobre a outra, onde se vê uma figura abstrata na parte de cima, que seria a noiva, inspirada no quadro acima mencionado, e, na parte de baixo, se percebe uma porção de outras figuras (feitas de cabides, tecido e outros materiais), dispostas em círculo, ao lado de uma engrenagem (retirada de um moinho de café). Essa obra consumiu anos inteiros de dedicação de Duchamp, e só veio a público muito depois do início de sua construção, intercalada, portanto, por uma série de obras. Não se tem um consenso acerca do que representa essa obra, mas diversas opiniões conflitantes, com base em psicologismos e biografismos, renderam e ainda rendem bastante discussão.


Autor: Marcel Duchamp
Obra: A fonte
Ano: 1917
Localização: Indiana University Arte Museum, Bloomington
Dimensões: 33,5 cm
Técnica: urinol de porcelana – readymade
Movimento: Dadaísmo

Autor: Marcel Duchamp
Obra: L.H.O.O.Q.
Ano: 1919
Localização: New York, Mary Sisler Collection
Dimensões: 19.7 x 12.4 cm
Técnica: Lápis sobre reprodução da Mona Lisa – readymade
Movimento: Dadaísmo

Autor: Marcel Duchamp
Obra: A noiva
Ano: 1912
Localização: Museu de Arte Moderna Filadélfia
Dimensões: 89,5 x 55,6 cm
Técnica: óleo sobre tela
Movimento: Dadaísmo

Autor: Marcel Duchamp
Obra: Porta-garrafas
Ano: 1914-64
Localização: Coleção privada
Dimensões: 59 x 37 cm
Técnica: readymade – porta-garrafas feita de ferro galvanizado
Movimento: Dadaísmo

Autor: Marcel Duchamp
Obra: Um rumor secreto (With Hidden Noise)
Ano: 1916
Localização: The Philadelphia Museum of Art, Philadelphia, PA
Dimensões: 12,9 x 11,4 cm
Técnica: readymade – novelo de corda entre duas placas de metal seguras por quarto parafusos
Movimento: Dadaísmo

Autor: Marcel Duchamp
Obra: Rede paralisada
Ano: 1914
Localização: The The Museum of Modern Arts, New York, NY, USA
Dimensões: 148,9 x 197,7 cm
Técnica: Óleo e lápis sobre tela
Movimento: Dadaísmo

Autor: Marcel Duchamp
Obra: Nove moldes de Malic
Ano: 1914-15
Localização: Coleção privada
Dimensões: 64 x 102 cm
Técnica: Óleo, fio de metal, folha de metal entre duas placas de vidro
Movimento: Dadaísmo

Autor: Marcel Duchamp
Obra: Antecipação do braço partido
Ano: 1915
Localização: Yale Center for British Art, New Haven, CT, USA
Dimensões: 121,3 cm
Técnica: readymade – pá de neve, madeira e ferro galvanizado
Movimento: Dadaísmo

Autor: Marcel Duchamp
Obra: Pratas de vidro rotativos (Precisão Óptica)
Ano: 1920
Localização: Yale Center for British Art, New Haven, CT, USA
Dimensões: 99 x 14 cm
Técnica: cinco discos de vidro que rodam sobre um eixo de metal
Movimento: Dadaísmo











Man Ray (1890-1976)

Ray foi um dos pais do movimento dadaísta em Nova York. Trabalhou com diferentes artes – além de pintar, foi autor de colagens, filmes e fotografias experimentais. Desde 1921 até seu regresso forçado aos Estados Unidos em 1940, viveu em Paris, onde realizou sobretudo obras surrealistas e trabalhou como fotógrafo. Suas esculturas, criadas a partir de objetos cotidianos, despertam no espectador uma sensação de estranheza que pode atingir o absurdo. Como fotógrafo, dedicou-se tanto à fotografia de tipo experimental quanto à de moda ou aos retratos, com os quais se converteu no cronista da vanguarda artística de Paris nos anos 20 e 30. São obras importantes dessa época o retrato de Gertrude Stein diante de um quadro de Picasso (1922), bem como as fotografias de Meret Oppenheim (1933) e Henri Matisse (1926). Em 1938, participou na exposição surrealista internacional que se realizou em Paris. De volta à capital francesa em 1950, tornou a expor. Em 1972, o Museu de Arte de Filadélfia dedicou-lhe uma retrospectiva.

Autor: Man Ray
Obra: Self-Portrait Assemblage
Ano: 1916
Localização: J. Paul Getty Museum, Los Angeles
Dimensões: 3 3/4 x 2 3/4 in.
Técnica: Gelatin silver print
Movimento: Dadaísmo

Autor: Man Ray
Obra: Compass
Ano: 1920
Localização: The Metropolitan Museum of Art, New York City
Dimensões: 11.7 x 8.6 cm (4 5/8 x 3 3/8 in.)
Técnica: Gelatin silver print
Movimento: Dadaísmo

Autor: Man Ray
Obra: Woman Smoking a Cigarette
Ano: 1920
Localização: J. Paul Getty Museum, Los Angeles
Dimensões: 3 3/8 x 2 11/16 in.
Técnica: Gelatin silver print
Movimento: Dadaísmo

Autor: Man Ray
Obra: Anxiety
Ano: 1920
Localização: J. Paul Getty Museum, Los Angeles
Dimensões: 3 11/16 x 4 3/4 in.
Técnica: Gelatin silver print
Movimento: Dadaísmo

Autor: Man Ray
Obra: Belle Haleine
Ano: 1921
Localização: J. Paul Getty Museum, Los Angeles
Dimensões: 8 13/16 x 7 in.
Técnica: Gelatin silver print
Movimento: Dadaísmo

Autor: Man Ray
Obra: Rayograph
Ano: 1921 print ca. 1963
Localização: Eastman House Museum of Photography & Film, Rochester, New York
Dimensões: 28.9 x 21.8 cm.
Técnica: Gelatin silver print
Movimento: Dadaísmo

Autor: Man Ray
Obra: The Marquise Casati
Ano: 1922
Localização: J. Paul Getty Museum, Los Angeles
Dimensões: 4 11/16 x 3 1/2 in.
Técnica: Gelatin silver print
Movimento: Dadaísmo

Autor: Man Ray
Obra: Marcel Proust on His Deathbed
Ano: 1922
Localização: J. Paul Getty Museum, Los Angeles
Dimensões: 5 15/16 x 7 13/16 in.
Técnica: Gelatin silver print
Movimento: Dadaísmo

Autor: Man Ray
Obra: Untitled Rayograph: From the Portfolio "Les Champs Délicieux"
Ano: 1922
Localização: J. Paul Getty Museum, Los Angeles
Dimensões: 8 9/16 x 6 3/4 in.
Técnica: Gelatin silver print
Movimento: Dadaísmo

Autor: Man Ray
Obra: Le Violon d'Ingres
Ano: 1924
Localização: J. Paul Getty Museum, Los Angeles
Dimensões: 11 5/8 x 8 15/16 in.
Técnica: Gelatin silver print
Movimento: Dadaísmo

Autor: Man Ray
Obra: Tears
Ano: 1930-32
Localização: J. Paul Getty Museum, Los Angeles
Dimensões: 9 x 11 3/4 in.
Técnica: Gelatin silver print
Movimento: Dadaísmo